segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Religiões - Entenda e aprenda a tolerar

      Antes de mais nada, quero dizer que não estou aqui para tentar impor a ninguém qualquer uma das religiões faladas no texto abaixo, vim apenas exemplificar de uma forma mais simples para quem desconhece e não entende a religião do outro, agora vamos ao texto.

      Por que a gente nasceu? O que existe depois da morte? Qual é o sentido da vida? Quem sou eu? É, não é uma tarefa nada fácil responder a essas questões, e é por conta disso que há milênios os homens desenvolveram diferentes crenças para conseguir entender esses e outros mistérios da vida.

      Diante dos fenômenos da natureza, os primeiros homens já desenvolviam cerimônias para se ligarem ao sobrenatural. Daí vieram as religiões, palavra que, aliás, vem do latim religare, que quer dizer “religar”, “juntar”. Ou seja, é aquilo que liga o homem a Deus e une aqueles que seguem as mesmas crenças. Seja você católico, budista, espírita ou o que for, o que vale saber é que a religião não é só aquilo em que você acredita, não: é uma parte muito importante da história e da cultura dos povos e ajuda a entender muito sobre eles. É por isso que não existe uma religião certa ou errada, melhor ou pior. O que existe são caminhos diferentes para tentar explicar o que há à nossa volta e que não conseguimos entender. Então, que tal conhecer um pouquinho das religiões mais comuns no Brasil? Assim fica mais fácil respeitar quem acredita em algo diferente de você, diga SIM a tolerância.

      Católicos

      São mais de 1 bilhão de pessoas pelo mundo! Para eles, Jesus é o filho de Deus, criador do mundo e veio à Terra para salvar a humanidade. Para isso ele morreu, mas ressuscitou depois de três dias. Sua vida e seus ensinamentos estão reunidos na Bíblia.

      ACREDITAM: na salvação e na vida eterna no paraíso (ou inferno) depois da morte. Seguem os ensinamentos do papa, cuja autoridade máxima vem diretamente de Jesus, e também cultuam Maria (mãe de Jesus na Terra) e alguns santos, que servem como intercessores entre os humanos e Deus. A missa é a celebração principal dessa religião e seus fiéis costumam frequentar a igreja pelo menos uma vez por semana. Para falar com Deus os católicos rezam.

      Evangélicos

      Essa religião surgiu no século 16, quando o teólogo alemão Martinho Lutero rompeu com a Igreja Católica e criou o protestantismo. Entre outras coisas, ele rejeitou crenças como a autoridade do papa e o culto à Maria e aos santos. Em países como o Brasil, as igrejas que descendem daí recebem o nome de evangélicas. Algumas mais famosas são a Assembleia de Deus, Congregação Cristã no Brasil, Batista, Presbiteriana e Universal.

      ACREDITAM: na salvação por meio de Jesus Cristo e no paraíso ou no inferno como vidas após a morte. Os evangélicos se reúnem em cultos no mínimo uma vez por semana. Para falar com Deus eles oram. Por existirem muitas igrejas distintas (também conhecidas como denominações) eles seguem diferentes regras no que diz respeito a roupas e hábitos. Por exemplo, em algumas igrejas mulheres usam apenas saias e cabelos compridos. Enquanto outras são mais modernas e realizam grandes festas e até campeonatos esportivos.

      Budistas

      A principal diferença do budismo para as demais religiões é que ele não gira em torno da relação do homem com um deus. Essa religião foi fundada no século 6 a.C. na Índia por Siddharta Gautama, conhecido como o Buda, ou o iluminado. Buda não é considerado um deus, mas um homem comum que encontrou o caminho da iluminação. Isso quer dizer que ele chegou a um estado de paz e de plenitude, chamado nirvana, que o permitiu se libertar do ciclo eterno de nascimento, morte e renascimento a que todos os seres estão sujeitos. Para atingir esse mesmo estado, os budistas seguem os ensinamentos de Buda e meditam.

      ACREDITAM: em quatro verdades essenciais: que a existência é dor; que a dor vem do desejo; que o fim do desejo é o fim da dor; e que a dor só é superada por oito caminhos (da compreensão, do pensamento, da palavra, da ação, do modo de vida, do esforço, da atenção e da meditação). O budismo chegou ao Brasil em 1908, trazido por um grupo de missionários japoneses, e é praticado por 6% da população mundial.

      Judeus

      A palavra “judeu” vem de Judeia, nome de uma parte do antigo reino de Israel, no Oriente Médio. Foi lá, no século 17 a.C., que Abraão fez uma aliança entre seu povo e Deus, que teria prometido levá-los a Canaã, a Terra Prometida. Durante muito tempo, o povo judeu foi escravo no Egito, até ser libertado por Moisés. Hoje, há 13 milhões de judeus no mundo e 80% deles estão nos EUA e em Israel.

      ACREDITAM: nos preceitos da Torá, ou Pentateuco, o livro sagrado que contém a vontade de Deus, e acreditam que um messias será enviado à Terra para salvar a humanidade, mas não creem, como os católicos e evangélicos, que Jesus Cristo seja esse filho divino prometido. Eles não comem determinados alimentos, como carne de porco. Os judeus se reúnem na sinagoga e celebram cultos comandados por um rabino.

      Espíritas

      Como os católicos e os protestantes, os espíritas também acreditam que Jesus Cristo é o filho de Deus, mas seguem a Bíblia para explicar como funciona o mundo espiritual. Essa crença foi fundada pelo professor francês Allan Kardec. Seus pensamentos foram formulados em 1857 no Livro dos Espíritos.

      ACREDITAM: que os espíritos nascem e renascem na Terra por várias encarnações até atingirem a perfeição. E que vivos e mortos podem se comunicar por meio de médiuns e nos centros espíritas, é comum que eles recebam passes de membros mais sensitivos que os harmonizam, removendo as vibrações negativas e substituindo-as por bons fluidos.

      Afro-brasileiros

      Os negros que vieram para o Brasil durante o período da escravidão na época da colonização trouxeram consigo muitas crenças africanas que acabaram fazendo parte da cultura brasileira, como o candomblé e a umbanda, que são as mais conhecidas, elas são diferentes, mas também possuem algumas similaridades.

      ACREDITAM: em orixás, que são deuses das nações africanas que criam e governam o mundo por ordem de Olorum, a divindade máxima. Cada orixá domina um elemento da natureza e um sentimento humano. É jogando os búzios que os pais ou mães de santo se comunicam com os orixás. E a Umbanda, criada no Rio de Janeiro no século 20, une crenças e rituais africanos com indígenas e europeus e acredita em entidades guias que são incorporadas por iniciados.

      Bem, agora vamos as minhas considerações finais, não sou adepto/seguidor/doutrinado? não sei como chamar, mas não tenho uma religião definida, eu penso apenas que existe um Deus e pronto. Para mim como dito acima, a religião serve como meio de se juntar a Deus, cada uma dessas religiões tem o seu meio de chegar a esse ponto em comum, seja rezando, seja orando, meditando ou qualquer outra forma, no fim podem estar todos falando para o mesmo Deus, que "aparece" ao seu modo para cada pessoa da forma que lhe será mais crível.

      Eu não sou um especialista no assunto, apenas pesquisei e trouxe essa forma ultra simplificada, se for tudo bem observado veremos que cada uma das religiões agem de forma parecida, basta haver respeito e a convivência se tornara ótima.Um grande abraço a todos.

3 comentários:

  1. Fala Arilson, obrigado pelo comentário, mas como eu disse no post eu não sou nenhum especialista no assunto e nem queria dar uma aula sobre religiões, a intenção era apenas mostrar por alto como é cada religião, afinal de contas no fim de tudo, todas pregam o amor, então vamos apenas amar mais uns aos outros e deixar cada um viver a sua religião como bem entender.

    ResponderExcluir